É engraçado que após toda a prova de que a Franciela Santin termina eu tenho um novo trabalho. Lá vou eu de novo ter que furar a parede para colocar uma prateleira nova em casa.

IMG_1975
Franciela na largada da Prova. Como se não tivesse peso nenhum!

Mas agora falando sério. Estou dando um tempo nas provas de corrida, em especial ao trail run. O período sabático é uma escolha, já que não tive nenhuma lesão ou nada do tipo, mas esse artigo tem um objetivo claro: não é para falar da visão da Fran sobre essa nova conquista mas para que possa falar diretamente com você que está querendo mudar de vida e começar uma atividade física e provar que é sim possível fazer uma atividade física como a corrida sem ser algo difícil ou dolorido. E sim, quando eu digo que estou falando com você também estou falando comigo mesmo.

A corrida é um esporte maravilhoso e democrático. Apesar de existirem vários tipos de corredores, desde o corredor raiz, que se duvidar faz uma prova de 23 km usando sunga e tênis (sim, tinha mesmo na prova) até o hight tech nutella (Ferrero, me patrocina!!!) que corre com manguito, fone de ouvido sem fio e celular da hora, polaina, tênis novinho da silva. Mas percebam que entre os dois campos nenhum dos dois é superior ao outro. A corrida, principalmente nas trilhas, é um esporte democrático. Você pode até competir com os outros corredores, mas o que importa é cruzar a linha de chegada.

Nas provas de trail, como o Moutain Do do Rosa, a corrida é ainda mais abençoada pelo visual que emoldura a corrida. Quem não se sentiria feliz em correr por praias, dunas e um dos visuais mais belos do Brasil como o litoral sul de Santa Catarina, passando pela Praia do Rosa, Ouvidor, Praia Vermelha num dia ensolarado e bonito de outono (maldito aquecimento global, ehehehe)?

O que foi maravilhoso no dia de ontem, vendo de fora, foi ver o clima de felicidade e de alegria das pessoas. Como eu não competi e pude acompanhar a chegada de todas as categorias (sim, eu fiquei até a chegada do último corredor) foi perceber o quanto a corrida serve para melhorar a nossa qualidade de vida. Correr, na falta de uma expressão melhor, liberta tanto o corpo como a alma. E foi maravilho acompanhar as pessoas que estavam em sua primeira prova, seja de 5, 11 ou 22 km, competindo contra os seus próprios medos e receio de não terminar.

Mas eu não podia desviar o meu olhar da Franciela. Nem faziam 15 dias que ela teve que interromper a sua primeira Major (nota: major é o nome que se dá para as maratonas internacionais mais importantes do mundo). A Maratona e o clima de Boston foram implacáveis com ela. Tanto que no quilômetro 13 ela teve que sair da prova por hipotermia. Só que ontem ela terminou a prova sorrindo, com o punho levantado, como se dissesse: eu quero, eu posso e eu venço. Porém, ela não disse isso para ela. Ela não falou isso pela desistência da Maratona de Boston, ela disse isso para mim.

Vê-la chegando, com um sorriso no rosto e com uma passada de gazela africana correndo na savana, mesmo depois de correr mais de 20 km em trilhas, dunas e praias, me fez refletir o quanto essa atividade liberta. A corrida tem um significado muito importante na nossa vida. Eu consegui vencer a obesidade e estou em um peso que, apesar de ter subido um pouco nesse período sabático, me deixa mais saudável que a grande maioria dos brasileiros. Mas para a Fran a corrida fez muito mais. Fez ela mudar de vida.

E ontem foi um desses dia ques me fez perceber o título desse artigo… A inspiração, para mudar de vida, ser mais feliz ou estar em paz consigo mesmo está ao nosso redor. Para mim a inspiração foi ver como a pessoa que eu mais amo no mundo conseguiu, mesmo tendo sofrido e perdido a oportunidade de concluir a prova de maratona do mundo mais famosa do mundo, chegar com um um sorriso no rosto em uma prova que eu não tive a coragem nem de me inscrever.

Por isso eu digo: corram. Não importa se vai ser uma prova na neve, na areia ou mesmo uma corridinha ao redor da quadra. Não deixem a vida passar em sua frente. E se a corrida for dura, não se importe. A vida sem alegria é bem pior.