SESI Corridas do Bem – Joinville

Fazer o bem e ainda ter a possibilidade de participar de uma prova bem organizada, em um local maravilhoso… Não tem preço!!!!

A etapa joinvilense do Circuito Sesi Corridas do Bem reuniu 1017 pessoas na manhã deste domingo, 1º de maio. As provas de corrida e caminhada, com percursos de 5 km ou 10 km, ocorreram dentro do Perini Business Park e tiveram duração total de cerca de 1h20.

Os vencedores de primeiro a quinto lugar ganharam troféus. Quem saiu ganhando também foi o Lar Abdon Batista, que receberá 20% do valor arrecado com inscrições. As Corridas do Bem têm como objetivo promover a qualidade vida e o bem-estar das pessoas, além de incentivar a solidariedade. O circuito está percorrendo 16 cidades catarinenses.

Neste final de semana, no dia do trabalho, a cidade de Joinville recebeu a terceira etapa do circuito SESI Corridas do Bem.
Aliás, já se tornou hábito o SESI organizar com primazia provas de corrida. Participamos de provas em diversos locais do Brasil e posso afirmar que a organização do SESI está entre as melhores deste País. E o nível da prova foi altíssimo.
Prova da Franciela Santin: Recorde pessoal e Primeiro Lugar na Categoria
Depoimento da Franciela:
13082704_1358117384205389_723839020162720528_nPara se ter uma ideia, fiz a prova de 10km no tempo de 48min27s, ficando em primeiro lugar na categoria (35/39 anos). Em provas anteriores, com tempo de 50min já fiquei em terceiro lugar geral. Isso significa que o nível dos atletas estava muito alto, pois a primeira colocada fez em 45min, tempo muito bom para o público feminino. Isso é ótimo, pois eleva o nível da prova e desafia os atletas participantes a buscarem quebrar seus recordes. O local escolhido para realizar a prova também foi excelente. Circuito plano, seguro.

Treino especial – Preparação para Maratona de SP

13083374_1351345154882612_8895993135927229518_n 13015256_10205712936654359_8959561313912708540_n

Treino “mamão com açúcar” em preparação para
Maratona de São Paulo,
a ser realizada em 24/04/2016.

Beira Mar Norte – Florianópolis/SC

2015 in review

The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2015 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

A San Francisco cable car holds 60 people. This blog was viewed about 1,400 times in 2015. If it were a cable car, it would take about 23 trips to carry that many people.

Click here to see the complete report.

São Silvestre / 2015

O que falar da Corrida Internacional de São Silvestre?

Em 31/12/2015 fizemos nossa primeira São Silvestre, sendo esta a 91a edição do evento que tradicionalmente ocorre nesta data pelas ruas de São Paulo.

Retirada dos Kits no Ginásio do Ibirapuera
Retirada dos Kits no Ginásio do Ibirapuera

Foi uma experiência incrível, difícil até de descrever em palavras, afinal, colocar sentimentos em um pedaço de papel não é uma tarefa fácil.

Mas vamos lá: nossa experiência iniciou-se no dia 29/12 quando fomos fazer a retiradas dos kits. Foi um belo primeiro contato com a prova. Distribuição muito bem organizada, rapidíssima, em menos de 5 minutos já estávamos com nossos kits em mãos. Anexo à entrega havia uma feira de produtos para corrida. Achamos os preços um pouco “salgados”, mas afinal, o que não está “salgadinho” neste momento em nosso País?

Bom, chegou dia 31/12. Acordamos cedo, tomamos café, colocamos nossa roupa de corrida e subimos em direção à Avenida Paulista. Naquele exato momento, nossos corações começaram a bater mais forte. Muita gente, mas muita gente mesmo já estava na Paulista. Cada um com seu objetivo: alguns querendo aparecer na televisão e falar a famosa frase “mãe, tô na Globo”, outros, querendo exibir suas fantasias dos mais variados personagens e outros, como nós, que ali estavam para verdadeiramente correr e completar com êxito a famosa corrida Internacional de São Silvestre.

Aguardando a largada
Aguardando a largada

Eis que 9 horas em ponto é dada a largada. Nós estávamos no setor amarelo e foi impossível identificar o número de pessoas que haviam em nossa frente ou atrás de nós. Mais tarde, teríamos uma a pequena noção (risos). Bom, após dada a largada demoramos 15 minutos para conseguir acessar o pórtico e finalmente ligar nossos relógios, ou seja, a São Silvestre finalmente havia começado para nós.

Expectativa para o começo da prova, na altura do MASP
Expectativa para o começo da prova, na altura do MASP

Iniciamos a prova com a certeza que até o terceiro quilômetro pouco poderíamos correr, mas que a partir dali as coisas melhorariam, pois aqueles que estavam ali somente para “fazer festa” e se mostrar para as câmeras, haveriam de desistir. Hahahahahaha, que belo engano. A prova foi do começo ao fim tumultuada. Afinal, 30 mil pessoas não iriam se dispersar tão rapidamente quanto imaginávamos. Esperança frustrada de principiante.

Nós, acostumados com provas menores onde após o primeiro quilômetro você realmente acerta seu ritmo e segue adiante até a linha de chegada, estávamos ali no meio de 30 mil pessoas tentando encontrar alguma brechinha para empregar um ritmo, pelo menos, moderado. Novamente, quanto engano. Nosso melhor ritmo girou em torno de 5’24”, tempo não foi impossível de repetir durante a prova inteira. O ritmo final ficou em torno de 6’44”.

Bom, tínhamos neste momento duas escolhas: ficar frustrados com a situação, ou realmente curtir a prova e os belos pontos turísticos de São Paulo. O Gelsom, desde o começo optou em curtir, eu, demorei um pouco, mas senti-me obrigada a fazer isso, até porque, não havia outra alternativa momentânea.

E assim fomos seguindo quilômetro a quilômetro, desviando daqui, desviando dali. Na maior parte da prova nos utilizamos de caminhos “alternativos”, como por exemplo, as calçadas ou as ciclo faixas, objetivando acelerar um pouco mais. Até porque chega um momento em que seus joelhos doem em função do ritmo ser muito lento.

Para se ter uma ideia, o ritmo era tão confortável que nem dos pontos de hidratação me utilizei. Não tinha sede. Mas claro que a emoção estava ali. Quando passávamos pelos túneis que fizeram parte do percurso, a galera toda gritava “uh, uh, uh, uh, uh”. Nossa, aquele som ecoava tão lindamente que toda a raiva de não poder correr em uma melhor ritmo passava.

Mas, havia um pensamento presente deste o início da prova: E como será a subida da Brigadeiro? Eis que os últimos 2 quilômetros chegam e com eles a famosa e temida subida. Neste momento, toda aquela galera gritava “Uh, Brigadeiro, Uh, brigadeiro”. Mas que nada, ela nem é tão ruim assim. Trata-se de uma subida longa, mas que com um pouco de força nas pernas você é capaz de vencer sem maiores problemas.

Após a subida da Brigadeiro, novamente entrou-se na Avenida Paulista e aí, somente mais uns 400 metros e nós teríamos feito os 15 km da famosa São Silvestre. E assim foi. Para coroar o esforço, uma bela medalha recebemos.

Medalha, medalha, medalha!!!
Medalha, medalha, medalha!!!

Valeu a pena? Claro que valeu. A velha máxima que todo o corredor deve ter pelo menos uma São Silvestre em seu currículo é verdadeira. Claro que não é uma prova para você fazer tempo, ela precisa ser curtida e aproveitada em sua plenitude apesar de sua dificuldade em função do número de pessoas.

ss01 ss02

E aí, qual seria nosso conselho? se você é um corredor estreante, não faça da São Silvestre uma de suas primeiras provas, faça provas menores, onde é possível se manter uma melhor organização (não que a São Silvestre seja desorganizada, mas acomodar 30 mil pessoas nas ruas de São Paulo não é uma tarefa fácil). Agora, se você já fez outras provas e possui condicionamento para fazer 15 km, sim, faça, pelo menos uma vez na vida a Corrida Internacional de São Silvestre, ou a Trotinho Internacional de São Silvestre (risos).

Links

corridassc

Sobre corrida

Aqui nesse post vamos falar um pouco sobre corrida, com seus termos e algumas histórias.

Pobre Michaelis!

Por Franciela Santin, uma simples amante da corrida

Conforme o Dicionário Michaelis, Correr significa “andar ou caminhar com velocidade, participar de uma corrida, dirigir-se apressadamente a algum lugar”.

Pobre Michaelis! Apresenta uma descrição tão incipiente, tão simplória do verdadeiro significado da palavra Correr. Tudo bem, afinal, o Dicionário Michaelis nunca experimentou a sensação de calçar um tênis e de sair a correr pelas ruas da cidade.

Pobre Michaelis que nunca correu sentindo o vento e a chuva batendo no seu rosto, levando embora todo o stress do dia, todas as frustações, tudo aquilo que de alguma forma te fez sentir-se diminuído, reduzido, insignificante.

Pobre Michaelis que nunca experimentou a satisfação de olhar o histórico de paces e de ver que houve evolução, que antes, você mal podia corria 200 metros e que agora, é capaz de fazer provas de média e de longa distância.

Novamente, tudo bem! O pobre Michaelis nunca foi treinar ao final da uma tarde dura de trabalho, sentindo-se desanimado, desapontado e saiu de lá renovado, revigorado, pronto para começar mais um dia e seguir em frente. Nunca sentiu a alegria de ver seu corpo se modificando, seus hábitos se alterando e sua saúde, melhorando!

Coitado! Ele nunca pode sentir em seu corpo e mente os efeitos da adrenalina e da serotonina ao cruzar uma linha de chegada. A excitação de ver que mais uma vez o recorde pessoal foi quebrado, nem que, por segundos de diferença do desafio anterior.

Triste Michaelis que nunca ficou aguardando, num domingo a noite, ansioso, o treinador publicar sua planilha de treinos, só par ver se havia algum desafio diferente, um novo fartlek, treinos de tiro, novas distâncias. Ah, que sensação fenomenal é esta! Sentir-se desafiado. Sentimento inexplicável este.

Mas é claro, o Michaelis é somente um dicionário, um pedaço de papel encadernado em uma bela brochura. Ele realmente nunca poderia desfrutar de todas estas sensações. Eu sei, eu entendo, afinal, eu já fui como o Michaelis. Os dias eram todos iguais, assim como é para ele. Mas agora, eu adicionei vida aos meus dias e certamente, dias à minha vida!

————————————————————

Corrida é uma competição de velocidade ou resistência. Os competidores tentam completar uma determinada tarefa no menor período de tempo. Envolve tradicionalmente percorrer alguma distância, mas pode se referir a qualquer tarefa em que o tempo/velocidade se apliquem

O pace nada mais é que seu ritmo médio de corrida, medido em minutos por quilômetro, ou seja: marcar em quanto tempo você percorre 1km.

———————————————————–

Persistência e Conhecimento

Esses 2 “poderes mágicos” são essenciais para você transformar os seus resultados, fazer a diferença na sua vida e que você corra com saúde plena.

Sem eles a chance de você ter sucesso é quase zero. .
==========================================
Poder Mágico #1: Persistência
==========================================
Todo mundo que conquistou os primeiros quilômentros de corrida, se tornou um profissional de educação física de sucesso ou conquistou um corpo saudável, deu o primeiro passo. Mudou alguns hábitos, se preocupou com que estava comendo, começou a se exercitar, se atualizou…

Mas a esmagadora maioria de quem não consegue alcançar os resultados desejados também já deu o primeiro passo, mudou alguns hábitos, se preocupou com que estava comendo, começou a se exercitar, se atualizou…

A diferença está na resposta da seguinte pergunta:

Por Quanto tempo?

Óbvio né? Se você faz uma corrida de final de semana, ou faz exercícios regulares por apenas um mês, e depois volta aos velhos hábitos ruins, você consegue apenas os resultados daquele mês e tudo volta ao que era antes em pouco tempo.

Já aquele que persiste, alcança.

Mas o que determina a persistência de alguém quando o assunto é correr com saúde ou treinar seus atletas com saúde?

Pelo que eu observo dos casos de sucesso, dos depoimentos de especialistas sobre seus clientes e, claro, pela minha própria experiência, a diferença mora na expectativa que você cria para si.

Quem tem resultado são os que simplesmente escolhem mudanças que durarão a VIDA TODA, pessoas que estão construindo um Estilo de Vida.

Já os que tentam e voltam ao mesmo ponto de partida são os que esperam que apenas uma corrida de final de semana, ou um ciclo de uma determinada faculdade com duração determinada vá resolver o problema.

Era assim que eu encarava a minha corrida antes. Não é à toa que eu perdi as contas de quantas vezes tive que parar por dores no joelho, na canela e não sabia ao certo o que ingerir, lesões que ocasionaram custos altos de anti-inflamatórios e afins.

Quem tem resultados duradouros é quem assume sua corrida e saúde como uma Empresa da qual ele vai ser dono o resto da vida.

Enquanto os que se frustram encaram ainda a corrida como sair correndo, como um mero projeto avulso, com inicio, meio e fim.

Você precisa encontrar a motivação verdadeira para construir para você uma “empresa vitalícia”. Um objetivo que motive a continuar a melhorar seus hábitos independente do que aconteça.

Pode ser poder sentir a endorfina depois de uns 40 minutos de corrida, sorrir, posar para a foto e falar estava bem nesta corrida, ou mesmo ganhar alguns anos a mais de vida. Pode ser se alimentar bem, tomar menos remédios do que toma hoje…. enfim. Algo que faça valer a pena você mudar o seu raciocínio de projeto para empresa. De temporário, para vitalício.

==================================================
Poder Mágico #2: Conhecimento = Informação + Senso Crítico
===================================================
Para correr com saúde, além de criar uma expectativa realista de que a caminho é constante e não só uma corrida com linha de chegada, é importante também escolher os caminhos certos.

Você pode até interiorizar, no fundo do seu coração, que hábitos saudáveis são para a vida toda, mas se o que você acredita ser saudável for, na verdade, nocivo, você vai continuar sem alcançar resultados. Vai trocar 6 por meia dúzia.

Quer um exemplo? Se você acredita que sair correndo faz parte de uma prática saudável, você pegou o caminho errado. Se você acha que ficar 1h/dia na esteira ou na rua é o melhor jeito e de ter uma corrida saudável, sua via será muito mais tortuosa.

E infelizmente os melhores caminhos não são necessariamente difundidos por aí.

Antes & Depois

Nesse artigo vamos tratar sobre a evolução na perda de peso do Gelsom, bem como, nos nossos hábitos alimentares.

Histórico

Há 1 ano atrás, tinha uma vida extremamente sedentária e uma alimentação de péssima qualidade (basicamente composta por produtos gordurosos, laticínios, enfim, ía ao Burger King 2 vezes por semana). Estava há mais de 15 anos sem praticar nenhuma atividade física. Minha vida (minha e de minha esposa) se resumia a trabalhar, voltar para casa, sentar em frente a TV e comer.

Eis que no dia 11 de setembro do ano passado, ano em que minha esposa fez 33 anos, eu perguntei o que ela gostaria de ganhar de aniversário e ela disse: “meu maior presente seria você viver ao meu lado por um longo período”. Porém, para que isso acontecesse era necessário mudar radicalmente meus hábitos e eu sabia que atividade física, além de um acompanhamento de uma nutricionista, seria a única forma disso acontecer.

Decidi então procurar uma nutricionista e ela alertou: “somente dieta não funciona, tem que estar associada à uma atividade física”. Saí então a procurar uma atividade para fazer e a escolha foi: CORRIDA. Nos inscrevemos (eu e minha esposa) na Assessoria Esportiva Just Run (Florianópolis) e iniciamos então nossa história. A partir deste dia o “bichinho da corrida” nos mordeu.

O resultado disso tudo foi: perdi mais de 30 quilos em menos de 3 anos. Toda a vez que vou na nutricionista ela elogia pela perda de gordura corporal e pelo ganho de massa magra. Atualmente a alimentação é saudável, livre de glúten e lactose.

Posso dizer que a alimentação saudável e a corrida salvou minha vida.

Atualmente faço atividade física 5 vezes por semana, 3 dias de corrida e dois de atividades funcionais em uma clínica, sempre acompanhado dos profissionais. O objetivo do reforço é melhorar o desempenho na corrida e prevenir futuras lesões.

 

Evolução do Gelsom 

Abaixo pode ser vista a evolução na perda de peso. Foram mais de 30 (trinta) quilos entre final de setembro de 2014 até outubro de 2015. Esta evolução se deu devido a mudança alimentar e a prática da corrida. Somos atendidos por uma nutricionista funcional Amanda Miranda, por nossa assessoria de corrida Floripa Runners e treinamento funcional na Clínica Movato!

11046175_1161677677182695_5509045067439209627_n

Evolução

img_6014
Comparativo entre 2012 e 2016
img_5804
2016 e 2011

Saiu na mídia

Neste tópico publicaremos links com assuntos relacionados a Corrida e Alimentação saudável, que tenham sido publicados nos mais diversos meios eletrônicos (sites e outros blogs).

– Correr é a terceira atividade favorita do brasileiro

– Reportagem publicada no jornal A Folha (Torres/RS) destacando a conquista da perda de peso.

10513349_1097299710287159_7031717135144895457_n

– Franciela é destaque na revista Runners (edição de outubro/2015)

Revista Runners Edição de Outubro/2015
Revista Runners Edição de Outubro/2015

– Matéria no Diário Catarinense (edição eletrônica e virtual) no dia 10/10/2015

Diário Catarinense - 10/10/2015
Diário Catarinense – 10/10/2015

IMG_0046

– Matéria no Site Diário Catarinense

– Matéria no site do Jornal Notícias do Dia

fran
Crédito da Foto: Eduardo Valente/ND

http://ndonline.com.br/florianopolis/esportes/313064-condutores-do-revezamento-da-tocha-em-florianopolis-tem-historias-de-superacao.html

Reportagem publicada pela Agência ALESC sobre nossa história e a nossa emoção de conduzir a Tocha Olímpica.

http://agenciaal.alesc.sc.gov.br/index.php/especiais/reportagens/casal-fortalece-uniaeo-ao-adotar-estilo-de-vida-saudavel-baseado-em-reeduca

Vídeo publicado pela Agência ALESC sobre nossa história

http://agenciaal.alesc.sc.gov.br/index.php/tval/noticia_single_tval/atletas-amadores-falam-da-emocaeo-de-serem-escolhidos-para-conduzir-a-tocha

Alimentação saudável

Neste tópico divulgaremos receitas saudáveis que são feitas por nós a partir de pesquisas na internet e de experimentações de ingredientes e sabores.

– Brigadeiro Light 

Ingredientes:

– Biomassa de Banana Verde
– 5 colheres de sopa de açúcar mascavo
– 3 colheres de sopa de cacau em pó
– 1 colher de sopa de manteiga clarificada (ghee)
– Castanhas (ou nozes) trituradas

Modo de Preparo
– Bater os ingredientes todos juntos
– Faça as bolinhas e passe na farofa de castanhas ou no pó de cacau

Brigadeiros
Brigadeiros

-Bolo de maçã com castanha do Pará (sem glúten e sem lactose) 

Ingredientes:
2 xícaras de farinha de arroz integral
2 maças médias
1 colher sopa de fermento
2 xícaras de açúcar mascavo
1 colher de canela em pó
60 gramas de castanha do pará moída
3 ovos
1 xícara de azeite de oliva

Modo de Preparo:
Misture tudo no liquidificador. Quando a massa estiver bem misturada coloque em uma forma e asse por 40 minutos,
Bolo de maçã com castanha do Pará (sem glúten e sem lactose)
Bolo de maçã com castanha do Pará (sem glúten e sem lactose)

 

Mini Omeletes (sem glúten e sem lactose)

Numa forma de cupcakes, pique legumes e verduras sortidos. Sugiro que os legumes sejam cozidos previamente. Bata dois ovos à parte e despeje nas formas. Leve em forno baixo até cozinhar e “estufar”, e estão prontos mini omeletes deliciosos, saudáveis e livres de glúten e lactose.

Mini Omeletes
Mini Omeletes

– Bolo de Cenoura sem glúten e sem lactose (com cobertura de alfarroba) 

Bolo de Cenoura sem glúten e sem lactose
Bolo de Cenoura sem glúten e sem lactose

Ingredientes:

  • 3 xícaras de farinha de arroz integral
  • 2 xícaras de açúcar mascavo
  • 1 xícara de azeite de oliva
  • 4 ovos
  • 6 cenouras pequenas
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Cobertura:

  • 3 colheres de Alfarroba com avelã (encontrada em lojas de produtos naturais)

Modo de Prepraro

Bolo:

  1. Bata no liquidificador o açúcar, o óleo, os ovos e as cenouras picadas ou raladas
  2. Coloque a farinha de arroz
  3. Jogue o creme que foi batido no liquidificador por cima da farinha e misture com uma colher até que a massa fique homogênea, por último misturar o fermento
  4. Coloque a mistura em uma forma média retangular ou de furo no meio, untada com óleo e polvilhada com um pouco da farinha usada na receita
  5. Levar ao forno preaquecido a 180ºC por mais ou menos 30 minutos ou até que esteja assado, furando a massa com um garfo ou palito e saia limpo

Cobertura:

  • Derreter a alfarroba sob o bolo ainda quente.

– Coxinha de Batata Doce 

Coxinha de batata doce
Coxinha de batata doce

Coxinha funcional: batata doce assada, com recheio de carne moída de frango

Modo de Preparo:

Massa:
– Cozinhar a batata doce no forno por aproximadamente 1 hora, deixar resfriar descascar e preparar a massa.
Utilizar azeite de oliva e farinha de linhaça para dar a liga.

Recheio:
– Cozinhar carne de frango moída temperando a gosto.

Montagem:
– Montar as coxinhas e cozinhar em fogo médio, por aproximadamente 40 minutos.

Coxinha de frango com batata doce
Coxinha de frango com batata doce

– Carnê assada com purê de batata baroa (mandioquinha) e vegetais no forno

Carne assada, purê de batata baroa (mandioquinha) e vegetais no forno
Carne assada, purê de batata baroa (mandioquinha) e vegetais no forno

Carne bovina (de preferência maminha) assada no forno, com óleo de coco.

Purê de Batata Baroa (também conhecida como mandioquinha): descascar a batata baroa (mandioquinha) e cozinhar por aproximadamente 20 minutos. Após bater no liquidificador com manteiga ghee (clarificada) e chia. Recolocar na panela para manter aquecida. Para reforçar o gosto, usar o suco da carne como complemento.

Vegetais no forno: em uma travessa com bastante azeite de oliva, preparar os vegetais picados (ervilha, cenoura e repolho roxo) no forno por aproximadamente. Temperar a gosto, preferencialmente com sal com baixa concentração de iodo.

Opções para jantar

– Sopa de Vegetais com Camarões ao molho de limão

Sopa de Vegetais e camarões ao molho de limão
Sopa de Vegetais e camarões ao molho de limão

Modo de Preparo

Sopa
Em uma panela panela separada,  cozinhar cenouras  até  amolecer e reservar.
Picar tomates, pimentões vermelhos e amarelos, abobrinha e repolho branco. Cozinhar com leite de coco em uma panela até os vegetais ficarem em uma consistência de molho. Temperar a gosto, com sal, noz moscada e sal marinho.
Para facilitar, bater em um liquidificador todos os ingredientes e esquentar em uma panela e servir.
Para complementar, incluir gergelim branco e lascas de amêndoas.

Camarões
Com os camarões descascados, deixa-los repousando por 20 minutos em uma travessa com o suco de um limão e sal a gosto. Dar preferência para sal com teor reduzido de iodo.
Após, em uma panela de ferro untada com azeite de oliva fritar os camarões no suco de limão siciliano. Manter a tampa fechada no cozimento para reservar os sabores.

– Sopa de Vegetais com Camarões ao molho de limão

Sopa de Abóbora
Sopa de Abóbora

Modo de preparo da sopa
Em uma panela panela separada,  cozinhar cenouras  até  amolecer e reservar.
Fazer o mesmo preparo para a abóbora.
Bater no liquidificar os ingredientes e depois cozinhar em uma panela temperando com canela, noz moscada, leite de coco e chia.

Camarões
Com os camarões descascados, deixa-los repousando por 20 minutos em uma travessa com o suco de um limão e sal a gosto. Dar preferência para sal com teor reduzido de iodo.
Após, em uma panela de ferro untada com azeite de oliva fritar os camarões no suco de limão siciliano. Manter a tampa fechada no cozimento para reservar os sabores.

Leite Funcional de amêndoas

leite de amendoas
Leite funcional de amêndoas caseiro

Compre amêndoas cruas, sem sal. Deixe em um recipiente com água de 8 a 10 horas. É importante cobrir todas as amêndoas com água. Depois, bata elas no liquidificador com água filtrada. Depois, com a ajuda de um voal, coe. Basta armazenar o leite em um recipiente de vidro. Dura em média 5 dias na geladeira. A farinha que sobrar você pode utilizar para fazer bolos, bolachas, etc…

– Sopa Funcional

Sopa funcional
Sopa funcional de abóbora

Pegue meia abóbora e após cozinhar por 20 minutos coloque no liquidificador juntamente com 2 cenouras grandes (também cozinhas, por 40 minutos) e um vidro de leite de côco. Adicione canela, chia e gengibre ralado, além de sal a gosto. Basta bater e estará pronta. Caso deseje que fique em uma consistência mais líquida, basta adicionar água. Esta quantidade dará exatamente o que está na foto.

– Queijo mossarela sem leite

Queijo
Queijo mossarela sem leite

1 xícada de polvilho doce
1 xícada de polvilho azedo
2 colheres de amido de milho
2 xícaras de água
6 colheres de azeite de oliva

sal a gosto (buscar utilizar sal marinho)

Bata no liquidificador os polvilhos, o sal, o azeite e o amido. Passe o conteúdo para uma panela de fundo antiaderente. Cozinhe em fogo alto, sempre mexendo, até que forme uma massa dura e se desprenda totalmente da panela. Depois de endurecer, espere esfriar. Use um recipiente plástico, como um pote, para moldar o queijo. Leve a geladeira e em 7 dias terás o queijo.

– Pão de queijo vegano

pao de queijo
Pão de queijo vegano

4 xícaras de chá cheias de polvilho doce
1 xícara de chá cheia de polvilho azedo
3 batatas doce ou mandioquinhas médias (cerca de 400 g) cozidas, descascadas e espremidas (tipo purê)
1/3 de xícara de chá de óleo de coco ou azeite de oliva bem quente (ponto de fritura)
1 xícara de água bem quente

Preparo: misture, primeiramente, todos os ingredientes secos. Acrescente o purê, misturando. Agora o óleo. Por último, depois de tudo pronto, a água. Moldar em bolinhas e assar em forno pré-aquecido a 200 graus por 20 a 30 minutos.

– Opção de Almoço de domingo 

foto (1)

Neste domingo preparamos um prato super saudável e delicioso. Como primeiro prato uma deliciosa salada verde com azeite de oliva, cenoura ralada e ervilhas. Depois, como prato principal, carne vermelha magrinha assada, purê de batata baroa (mandioquinha) com chia e charuto de couve com recheio de vegetais (vegetais: cenoura, vagem e ervilha), além de orégano e azeite de oliva.